Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Pilantras com o Ventor

O gato Ticas, nos trilhos do Ventor

O gato Ticas, nos trilhos do Ventor

Pilantras com o Ventor


Bem-vindos aos Blogs do Ticas, este vosso novo amigo na Blogosfera

Venham comigo, com o Quico e com o Ventor

Pilantras - o Ticas
Caminhem aqui com o Ticas, o Ventor e o Quico
Caminhem n'A Grande Caminhada do Ventor
Caminhem também por estes trilhos
O Ticas nos Trilhos do Quico: com o Ventor

O Fotoblog do Pilantras: sempre com as flores

Pilantras - o Ticas: recordarei sempre o Quico

Venham connosco. A Grande Caminhada nunca acaba!

15
Jun13

Uma Caminhada pela Arrábida

Pilantras

Desta vez calhou ao Ventor comer as sardinhas de Santo António, pelos sopés da serra da Arrábida.

Mas não foi só pelo Santo António. Foi pelos seus amigos, pelas flores, pelos sobreiros, pelos caminhos de terra batida, pelo sol, pelos fetos, ... Sim, pelos fetos! Fetos? Bem, para mim, também os conheço mas, para o Ventor, os fetos são seus companheiros desde o berço. Ele, já me disse que sabe que os fetos podem ser um estorvo em determinadas circunstâncias mas, tudo tem o seu valor, até os fetos!

 

 
Flores de S. João, "botões azuis, botânicamente, "jasion montan, L.", nos sopés da serra da Arrábida

 

Os fetos deverão existir por muitas latitudes, diz ele. Diz que, no Brasil, os tupis (indígenas brasileiros) chamam-lhe simambaias e, isso, significa que também há fetos no Brasil. Ele também já me disse que começou a observar os fetos nas suas Montanhas Lindas, lá pela Açoreira.

Contava-lhe a sua mãe que, com poucos meses de vida, dormia à sombra de fetos, junto ao muro do Curral enquanto seu avô enchia os cestos do esterco das vacas que as mulheres transportavam para as lavouras e, uma cobra, saída dos buracos do muro, cheia de inveja, com o cheirinho a leite, foi deitar-se ao lado do Ventor, entre os fatelos. Como o Ventor não gostava daquela coisa fria e escamuda, junto de si, desatou num berreiro e seu avô foi ver o que se passava.

 

Seu avô pegou na cobra e espetou-lhe com a cabeça contra o muro, matando-a. Seria a primeira vez que o Ventor terá tido responsabilidade indirecta por uma morte. Se calhar, terá sido por isso que o Ventor, até aos seus 15 anos, foi o terror das cobras, dos lagartos e de todos os animais rastejantes e não só. Como o Ventor ainda choramingava, seu avô tirou um grupinho dessas flores de entre os fetos e começou a brincar com o Ventor, fazendo-o rir.

 

Mas, voltando às fraldas da Arrábida, os fetos ofereceram ao Ventor as suas flores lindas de criança - as flores de S. João. Foi assim que a sua mãe o ensinou a chamar-lhe. Isso porque, segundo ele julga, elas apareciam sempre por alturas do S. João. Daí o nome de flores de S. João. Mas hoje, eu dei uma ajuda ao Ventor e, os dois, descobrimos o nome botânico das suas lindas florezinhas azuis - Jasion Montan, L., e que há pessoas que lhes chamam "botão azul".

 

 

Saídas de entre os fetos elas saúdam o Ventor

 

No dia de Santo António, deste ano, 13 de Junho, o Ventor fez a terceira grande festa às "Jasion Montan" - os botõezinhos azuis. Quando o Ventor saiu da sua terra, nunca mais viu os tais botõezinhos azuis que ele apanhava para dar à sua mãe. Como caminhava sobre alcatifas, era natural que não houvesse, pelos seus trilhos, "jasion montan". Apareciam flores sim, mas em jarras! Flores lindas dos jardins e das explorações comerciais que nada tinham a ver com as flores silvestres que ele conhecia. Um dia, na serra de Monchique, no Algarve, descobriu as suas florezinhas de S. João.

Quando ia de visita à sua terra, já as flores tinham desaparecido. Um dia, caminhando pelos Picos da Europa, deparou-se com as suas flores lindas e o Ventor esqueceu tudo. Dedicou-se às suas flores lindas. Agora todos os anos que vai a Adrão, tem sempre a visita das suas flores preferidas.

 

 
Mas na Arrábida há muitas belas flores como esta centáurea rosa

 

Pela Galiza, por todo o Minho, Adrão, Peneda, Castro Laboreiro, Soajo, por todos os caminhos, basta olhar os socalcos como há 50 anos atrás e lá estão os botõezinhos azuis, gritando alto: "olá, Ventor"!

Foi assim este dia de Santo António. Do meio dos fetos, todos em uníssono, gritaram "olá, Ventor"! Foi uma surpresa que o Santo António quis fazer ao Ventor! Santo António sentia ciúmes da amizade do Ventor pelo S. João e sabia que as florezinhas azuis tinham a ver com isso. Este ano antecipou-se e pediu às "jasion montan" para saltarem do meio dos fetos e saudarem o Ventor. Assim, o Ventor, as "jasion montan" e o Santo António festejam juntos, sob a luz e o sorriso do seu amigo Apolo as fores azuis que também mostram as suas belezas entre os fetos e os sobreiros dos sopés da serra da Arrábida. 

 

 


Sutton Hoo

Parece uma máscara do dia das bruxas mas não é. É uma réplica de um elmo encontrado numa localidade inglesa chamada Sutton Hoo. Dizem ser da Alta Idade Média e foi encontrado numa sepultura de um líder anglo saxão


A Cruz da Vitória

Com este sinal o piedoso é protegido. Com este sinal o inimigo é vencido.

A Cruz da Vitória foi feita por artesãos francos às ordens de Afonso III das Astúrias. Esta cruz converteu-se no símbolo do reino das Astúrias e está guardada na Câmara Santa da Catedral de São Salvador de Oviedo


O Vexiloid de Alexandre Magno



Foi atrás do drapejar deste símbolo que milhares de homens seguiram Alexandre Magno. na Europa (Macedónia, Grécia), na África (Egipto) e na Ásia (através do Império Persa).


Jasão, herói grego

Douris_cup_Jason_Vatican_16545DP.jpg


Jasão, o herói grego que foi com os argonautas buscar o velo de ouro à Cólquida, hoje localidade na Geórgia, no mar Negro. Ele está a ser regurgitado pela serpente ou dragão que guardava o velo. Atena estava a interferir por Jasão

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.